CODEX ALIMENTARIUS – UM CRIME CONTRA A HUMANIDADE

PESQUISE, TIRE SUAS CONCLUSÕES E DIVULGUE

Por mais dantesca que possa parecer essa matéria, podemos concluir que quem manda em nossos governos são as “Corporations”, que por meio de seu poder econômico, ditam as regras e decidem o rumo da “inocente e distraida” humanidade.

Aqui está uma oportunidade do leitor verificar que há um plano em andamento para um extermínio em massa (em outra ocasião falaremos também sobre o suspeito programa REX 84).

A partir de 01 de Janeiro de 2010, entra em vigor o polêmico Codex Alimentarius (Código Alimentar, em latim). Mas você provavelmente não saiba o que é isso, e é exatamente o que eles querem. Como os meios de comunicação também são controlados pela ELITE GLOBAL, arquiteta desse plano, as informações chegarão ao público distorcidas e levando a população a acreditar que se trata de uma iniciativa benéfica.

O Codex Alimentarius é um Programa Conjunto da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação – FAO e da Organização Mundial da Saúde – OMS. Trata-se de um fórum internacional de normalização sobre alimentos – sejam estes processados, semiprocessados ou crus – criado em 1962, e suas normas têm como fachada “proteger a saúde da população”. Se você aqui ainda acha que a ONU e a OMS são boazinhas, e que essa matéria faz parte da “delirante turma da teoria da conspiração”, você precisa se informar mais.

As normas desse perigoso organismo, o Codex, abrangem ainda aspectos de higiene e propriedades nutricionais dos alimentos, código de prática e normas de aditivos alimentares, pesticidas e resíduos de medicamentos veterinários, substâncias contaminantes, rotulagem, classificação, métodos de amostragem e análise de riscos.

Na versão oficial (exceto as aspas), parece que estão preocupado com a saúde da população, mas na verdade o Codex é uma fonte poderosa de controle sobre a humanidade e de apreciável lucro para as grandes corporações, especialmente as dos ramos químico e farmacêutico.

Estas normatizações abrangem todos os tipos de alimentos, dos crus aos processados, sendo quase que humanamente impossível tomar conhecimento de todas as medidas que foram criadas. Algumas centenas de diretrizes (mais de 400) aparecem no site da Agência (www.codexalimentarius.net), não disponível em português; toda informação oficial que se pode acessar está disponível nos sites das Agências e Ministérios governamentais, apesar de estar suprimida e bastante desatualizada e fragmentada pelos sítios… mas não será essa a intenção? Entre centenas de diretrizes e normativas, podemos encontrar processos perigosos que dizem respeito à:

– INOCUIDADE DE ALIMENTOS ATRAVÉS DA IRRADIAÇÃO;
– LIMITES MÁXIMOS ALTÍSSIMOS PARA AGROTÓXICOS E QUÍMICOS
– LIMITES MÁXIMOS BAIXÍSSIMOS PARA VITAMINAS E MINERAIS

“Quem controla a comida, controla o mundo!”

Traduzido em miúdos, o Codex vai trazer severas restrições à nossa já precária LIBERDADE de escolha em termos de alimentação e prevenção/tratamento de doenças.

No vídeo a seguir, veja a palestra da Dra. psiquiatra Rima Laibow, na Associação Nacional de Profissionais de Nutrição (NANP) USA, em 2005, sobre os acordos comerciais da OMC e suas regulamentações a cerca da produção e comercialização dos alimentos, que incluem as seguintes exigências: inocuação dos alimentos por radiação, proibição de nutrientes considerados “tóxicos” e liberação do uso de agrotóxicos que já foram proibidos por causarem graves danos ao homem e o meio ambiente.

A seguir, uma discreta síntese dos absurdos do CODEX ALIMENTARIUS:

– Suplementos nutricionais, como vitaminas, por exemplo, não poderão mais ser vendidos para uso profilático ou curativo de doenças; potências de qualquer suplemento liberado, estarão limitadas a dosagens extremamente baixas, sub-dosagens, na verdade, e somente as empresas farmacêuticas terão autorização para produzir e vender esses produtos (preferencialmente na sua forma sintética) em potências mais altas – no caso da vitamina C, por exemplo, qualquer coisa acima de 200 mg será considerada “alta”, e será necessária uma receita médica para se poder compra-la.

– O alho ou o hortelã, serão classificados como drogas, que somente as empresas farmacêuticas poderão regulamentar e vender. Qualquer alimento ou bebida com qualquer possível efeito terapêutico poderá ser considerado uma droga. Com isso o chazinho da vovó será proibido, e a vovó será acusada de uso ilegal da medicina.

– Alimentos geneticamente modificados não precisarão ser identificados como tal, ou seja, os rótulos não informarão mais se o produto é transgênico ou se possui dosagens ou elementos prejudiciais a saúde e não saberemos a origem do que estamos comendo.

– Aditivos alimentares, a maioria sintéticos, como o aspartame, por exemplo, serão aprovados para consumo sem que se tenha conhecimento dos efeitos. Vale ressaltar que o Aspartame é um produto da MONSANTO, a mesma empresa que produz o herbicida RANDUP, e que produziu e controla os alimentos transgênicos. Essa empresa também foi a que criou os elementos para a produção da arma química conhecida como “efeito laranja”. Em outra oportunidade trataremos aqui das atividades genocidas da MONSANTO, grave esse nome.

– Todos os animais destinados ao consumo humano, deverão receber hormônios e antibióticos como medida profilática; sabe aquele “gado orgânico”, criado solto em pastagens e tratado só com homeopatia?… nunca mais!

– Todos os alimentos de origem vegetal deverão ser irradiados antes de serem liberados para consumo: frutas, verduras, legumes, nozes… nada mais chegará à nossa mesa como a natureza fez. Esses dias a mídia já divulgou que o açúcar passará pelo processo de radiação para o seu “branqueamento” .

– Os produtos orgânicos estarão completamente descaracterizados, pois terão seu padrão de pureza reduzido. Alguns aditivos químicos e várias formas de processamento serão permitidos; tampouco haverá obrigatoriedade por parte do produtor de informar que produtos usou e em que quantidades – rótulos não serão obrigatórios na era pós-Codex.

– Para a agricultura convencional, os níveis residuais aceitáveis de pesticidas e herbicidas estarão liberados em níveis que ultrapassam em muito os atuais limites de segurança! Em outras palavras, estarão envenenando nossa comida.

Em síntese, os objetivos do Codex incluem:

1 – Globalização das normas;
2 – Abolição da agricultura/criação orgânica;
3 – Introdução de alimentos geneticamente modificados;
4 – Remoção da necessidade de rótulos explicativos de qualquer espécie;
5 – Restrição de todos os remédios naturais, que serão classificados como drogas.

Indicar aquele chazinho para um amigo? Ou quem sabe informar ao vizinho que farelo de aveia ajuda a reduzir o colesterol? Sugerir que mamão solta e banana prende?… Nem pensar! Poderá ser considerado “prática ilegal da medicina”! Não se poderá dizer que produtos naturais curam doenças porque não são medicamentos e, na era pós-Codex, só medicamentos APROVADOS pelas novas regras poderão ser referidos para tratar doenças… e assim mesmo, só por um médico.

Medicina alternativa, tibetana, ayurveda, homeopatia, essências florais… só se a turma do Codex disser que pode. Entrando esse “programa” em vigor (daqui há 6 meses) da forma como vem sendo preparado há mais de 45 anos, teremos perdido nossa liberdade de optar por uma medicina e nutrição naturais, poderemos vir a precisar de receita médica até para ir à feira…

No site http://www.anvisa.gov.br/alimentos/comissoes/alimentarius.htm da ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, você encontra:

//-

Fontes:
http://diacrianos.blogspot.com/2008/10/codex-alimentarius-os-ltimos-dias-de.html
http://prod.midiaindependente.org/pt/blue/2009/05/447008.shtml

Veja mais:
http://www.inmetro.gov.br/qualidade/comites/ccab.asp
http://www.anvisa.gov.br/ALIMENTOS/aulas/aula_3.ppt
http://www.anvisa.gov.br/divulga/public/alimentos/codex_alimentarius.pdf
Codex Alimentarius é implementado em Portugal
http://www.codexalimentarius.net/web/index_en.jsp