O Homem é vegetariano por Natureza.

O Ser Humano, como topo da evolução animal, detém diante de si uma vasta escolha alimentar pois ao longo de séculos desenvolveu técnicas de transformação dos recursos naturais como nenhum outro ser vivo foi capaz.

Após milhares de anos de apuramentos alimentares temos hoje, pelo menos para os países ocidentais, uma vasta panóplia de alimentos à escolha. Mas quer isto dizer que tudo serve para nos alimentar? Não será bem assim.

Uma entidade tão bela e perfeita como é a Natureza providencia-nos sabiamente o alimento apropriado para a nossa continua evolução, isto é, existem alimentos mais apropriados do que outros para nós humanos.

Mas não podemos comer de tudo? Não somos Omnívoros? – Perguntará o nosso leitor.

Bem, é tudo muito relativo.

É um facto que podemos comer de tudo caso queiramos, mas será que devemos?

No dicionário, a definição de Omnívoro é: “Diz-se do ser vivo que utiliza na sua alimentação normal tanto as substâncias animais como vegetais, ou alimentos de qualquer natureza.”

Esta questão é discutível pois terá que se analisar o que se entende por alimentação normal nos dias que correm e acima de tudo não se pode generalizar.

Todos os animais provém dos vegetais.
Biologicamente o ser humano é essencialmente vegetariano e a constituição do nosso corpo isso nos diz.

Eis porquê:

A nossa dentição é apropriada para trituração de cereais, vegetais e frutos. Apenas temos 4 “amostras” do que se chamam dentes caninos que em nada se comparam com os mesmos de um animal carnívoro.

O nosso sistema digestivo é muito semelhante proporcionalmente ao de um animal herbívoro, pois possui um comprimento de cerca de 8 vezes o nosso corpo, sendo apropriado para digerir alimentos vegetais fibrosos. Os animais carnívoros possuem um tracto intestinal de cerca de 3,5 vezes o comprimento do seu corpo, permitindo assim um escoamento e evacuação rápidos dos subprodutos resultantes das carnes ingeridas. Além disso, o nosso Suco Gástrico – o Ácido Clorídrico – não tem a capacidade suficiente para digerir convenientemente alimentos pesados e fortes como a carne. Os animais carnívoros por seu lado, possuem um suco gástrico 10 vezes mais potente, próprio para dissolver carnes, peles e ossos.

A nossa evolução intelectual mostra-nos que a racionalidade provém do abandono ao longo da história da ingestão de produtos animais tendo adoptado os produtos de origem vegetal e assim progredirmos mental e espiritualmente. É interessante constatar que ao longo da história os povos mais violentos eram grandes consumidores de carne, que baseavam a sua existência em guerras, saques e conquistas territoriais pela força (Bárbaros, Vikings e infelizmente mais recentemente os Alemães que deram origem à 1º e 2ª guerras mundiais). Contrariamente, os povos mais pacíficos que eram essencialmente vegetarianos contribuíram grandemente para as grandes descobertas da humanidade. Os Maias, Incas e povos orientais em geral.

O Ser Humano evoluiu na Terra ao mesmo tempo que os Cereais. Consideram-se estes o topo da evolução do reino vegetal, pois são o único organismo cujo fruto e a semente são um só – O grão (bago).
Há um teste simples para o caro leitor pensar.

Um teste a cru que nos leva a concluir esta questão:

Se alguém lhe apresentar um prato com frutos e legumes crus, sementes, nozes e bagas e, outro prato com um belo bife igualmente cru, qual escolheria para comer? E o que escolheria um cão ou um leão?

Bem, penso que escolheria o mesmo que eu. Eis a diferença, a cru, que nos diferencia dos animais verdadeiramente carnívoros. Podemos cozinhar! Exclamará! Bem, claro que sim mas este é um teste sem subterfúgios.

Imagine que não tem como cozinhar qual seria a sua escolha?

Todos os seres vivos tem características próprias que se desenvolvem ao longo tempo atendendo às condições e adaptabilidade ao meio envolvente. Nós somos exactamente isso – o resultado do meio – clima, ar, água, comida, entre outros factores. (…)”

//-