THE CHARLIE HEBDO MASSACRE e o governo francês

Por CHRIS EVERARD e relatórios a partir de França.

Quase todas as vítimas do massacre eram judeus, e esse evento colocou efetivamente 1,3 milhões de polícias e militares nas ruas de França, com atiradores especiais da polícia nos telhados.

Pode-se chamar a isto uma ‘sobre reação’ num país que é governado e tem sido sido governado, quase que exclusivamente por políticos judeus desde há 75 anos?

Poderia chamar-se ‘paranóia’ de uma elite judaica de políticos franceses, que controlam os jornais, a TV, o rádio, e que controlavam a revista de CHARLIE HEBDO? Claramente, este é um massacre racista contra judeus cartunistas, obviamente que não é uma situação que ameaça toda a nação.

Perplexidade é, consequentemente, a reação mais comum numa aldeia francesa de bares e cafés. Logicamente, pessoas inteligentes colocam dúvidas [se os assassinos estavam destinados a ser parte integrante do ISIS] porque terão quebrado um escritório de cartunistas em vez de uma estação de poder nuclear francês ou um prédio do governo?

Desde quando que assassinar cartonistas faz cair ou abala um estado? É como o grupo alemão Baider-Meinhof invadir os escritórios da VIZ ou a banda! “Ou em Portugal quererem derrubar a assembleia da Republica e atacarem à bomba uma estação de gasolina!”

Notícia a BBC, sobre “Charlie Hebdo” que a saída de notícias pró-Israel tem sido bajulação aos pés dos “40 líderes mundiais”.

Na realidade, só a Palestina, Israel e Alemanha chefes de estado apareceram hoje para uma oportuna foto em Paris – e então rapidamente foram embora, cada um à sua vida, o que é uma pena, porque eles tinham a oportunidade perfeita para aproveitarem o momento e encetarem uma mesa de negociação e sanarem o conflito israelo-palestiniano de forma definitiva.

O resto dos líderes do mundo presentes na dita foto foram todos políticos franceses – e a maioria deles são judeus. A cobertura da TV não mostrou qualquer long-shots, então não posso confirmar se as pessoas “milhões” alegou a BBC sobre a marcha de Paris, se as imagens “Fotos” são reais ou photoshop.

Os cartazes que vi na TV [mas não nas ruas] dizendo “Eu sou o Charlie” são destinadas a mostrar solidariedade para com os judeus vítimas -então estamos a concluir que ‘JE SUIS CHARLIE’ realmente significa “Eu sou judeu”? Sim, é muito estranho e confuso… vamos então a uma breve dose da história política francesa;

Em primeiro lugar, há um analfabetismo difundido na França, o desemprego generalizado, anúncios publicitários e comerciais TV em árabe, as empresas estão a falir, o EURO está falhando [porque ele foi projetado para falhar]…

Geralmente uma garrafa de champanhe [se você souber onde comprá-la] pode ser mais barata do que uma lata de coca-cola, o resultado é o alcoolismo em massa e uma nação de verdadeiros franceses apáticos conduzidos por loucos, por impostos draconianos impostos por um distante e largo poder de Não-franceses que é a elite de políticos judeus.

Esses políticos têm lavado o cérebro lavado a muitos milhões de pessoas e a maioria dos franceses de longa geração têm vegetado na sua bolha de língua francesa e agora, com estas manipulações e acontecimentos andam de caretas faciais permanentes como idiotas infelizes, confusos e vingativos.

E alguém pode realmente culpar os franceses por estarem confusos e irritado? … faça um exame de reflecção sobre a II guerra mundia e o dia D; O regime de Vichy era o governo francês, que sucedeu a Terceira República de julho de 1940 a agosto de 1944. Foi proclamada pelo Marechal Philippe Pétain após a derrota militar da França e a votação de 10 de julho pela Assembleia Nacional para conceder poderes extraordinários a Pétain, que detinha o título de Presidente do Conselho… O que isso significava na realidade é que o governo francês de Vichy nunca se opôs ao nazismo e assistiu-o na luta contra os ingleses!

A história mostra-nos que o “Estado francês,” (l’État Français) em contraste com a “República francesa”, deliberadamente colaborou com a Alemanha nazi em alto grau: incursões para capturar os judeus e outros “indesejáveis” foram organizadas pela polícia francesa não só no norte da zona ocupada pela Wehrmacht alemã-, mas também no sul da “zona franca” da França, que estava ocupada somente depois que os aliados invadiram o norte de África em novembro de 1942. Não surpreendentemente, milhões de judeus em França e de repente proclamaram ser católicos!

Agora vamos dar uma olhada no CHARLIE: qualquer pessoa que tenha tido tempo de olhar para os desenhos animados que supostamente provocou o massacre vai perceber que os cartonistas’ ‘ eram homens judeus autodidatas com ausência de sutileza artística. Diziam e faziam jus, que ‘comédia não viaja’ e é óbvio que em França, que ‘comédia’ é uma espécie de fenónemo estranho, o que significa que cada pessoa “francês” pode zombar com outras nacionalidades, mas é incapaz de rir de si mesmo…

CHARLIE HEBDO é em si uma paródia e uma cópia barata do doente pitoresco e engraçado CHARLIE BROWN americano cartoon-exceto CHARLIE HEBDO não é singular nem engraçado.

O que realmente é, no entanto, é racista. É surpreendente, quando você percebe que o racismo é ilegal para todos os franceses, mas não para os cartunistas judaicos que agora infelizmente morreram.

Então, para colocar o massacre em algum tipo de contexto histórico, agora cito do jornal DAILY TELEGRAPH, que publicou o seguinte relatório: “seguindo as marchas e manifestações contra a matança de palestinos [julho de 2014]-os manifestantes estavam atônitos com a matança de inocentes palestinos pelo governo de Israel: citação do DAILY TELEGRAPH: ” a França tem a terceira maior população judaica do mundo [cerca de meio milhão-ou seja, uma minoria de menos de 10% do a população francesa], depois de Israel e os Estados Unidos. Mas o número de judeus franceses que emigraram para Israel aumentou acentuadamente nos últimos anos, um amento de 70 por cento em 2013, de acordo com a Agência Judaica [mentira]. Em parte, isto pode ser alimentado por problemas econômicos da França, mas muitos observadores acreditam que também está sendo alimentada por um aumento de ataques anti-semitas no país.

“Porque não reagir quando ouvimos “Morte aos judeus” hoje em França?”

Milena Kartowski, uma jovem judia francesa escreveu uma peça para o Le Nouvel Observateur para o dia da Bastilha no início deste mês-antes da violência anti-semita mais grave ter
ocorrido.

“Eu sou judeu e sou francesa, e nada, absolutamente nada, vai legitimar o crime horrendo que está ocorrendo aqui em França,” Ms Kartowksi escreveu. “Quando vai lutar por mim?

Quando você lutará para permitir-me, como um judeu, a viver em segurança e em paz no meu país, como você?”

Bem, aqui está uma lista de pessoas, judeus franceses que viveram tranquilamente em França e tornaram-se sucesso político-milionários-todos. Alcançaram os melhores empregos no governo francês-são todos judeus- e, portanto, é lógico concluir que a França na verdade é controlada por milionários judeus-isto é, para dizer, que a polícia, tribunais, poder judiciário, as prisões e tudo a ver com a economia da França é controlado por políticos judeus…

– lista de franceses judeu políticos no controle da França—político judeu Léon Blum (1872-1950), primeiro-ministro da França de 1936 a 1937 e em 1938, foi presidente do governo provisório da República francesa de 1946 a 1947

– político judeu Michel Debré (1912-1996), Primeiro-ministro da França de 1959 a 1962.

– político judeu Laurent Fabius (nascido em 1946), primeiro-ministro da França de 1984 a 1986.

– político judeu Pierre Mendès (1907-1982), primeiro-ministro de França judaica._

– político René Mayer (1895 – 1972), primeiro ministro da França em 1953, judeu católico.

– político Nicolas Sarkozy (nascido em 1955), presidente da França de 2007 a 2012, ele enganou e enganou o Coronel Gaddafi e arrebatou uma tonelada de óleoe o dinheiro da pensão do povo líbio [até que era em si roubada pelo Palácio de Buckingham, que jogou Sarkozy para fora na orelha em um golpe eleitoral].

– político judeu Dominique Strauss-Kahn, diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) até preso.

– político judeu acusado de estupro David Assouline (nascido em 16 de junho de 1959, Sefrou, Marrocos) é um membro do Senado da França, representando a cidade de Paris.

[Há também muitos outros políticos judeus na França que afirmam ser católicos mas são filhos de judeu-húngaro e judeu-alemão].

Como é que uma minoria de políticos franceses judeus [menos de 000.01% da população] conseguiram ter o controle total do governo francês durante + 75 anos?

Vou terminar com uma segunda grande pergunta -como é que considerando que todo o sistema de governo francês está nas mãos de políticos judeus como os apontados acima,

permitiram estes que 16 milhões muçulmanos tivessem tido as portas abertas em França e agora estão a garantir a auto reprodução do povo francês “O não envelhecimento da frança em termos populacionais”?

A resposta, é muito óbvia, aos muçulmanos foi-lhe deliberadamente permitida a entrada em França pelos judeus que controlaram os governos da década de 1940 em diante!

//-